sábado, 31 de outubro de 2009

O TRIO IRMÃS MEIRELES CANTAM "BALADA DE COIMBRA"

Em 1943, por sugestão da poetiza Fernanda de Castro (esposa de Antônio Ferro) as irmãs Cidália; Rosária e Milita, que tinham inclinação para o canto, formaram o Trio Irmãs Meireles. Especializaram-se no folclore português, mas também cantavam fox, canções românticas, boleros e músicas norte-americanas. O trio passou a ser ensaiado e dirigido pelo maestro Tavares Belo, que fez vários arranjos vocais. Cantavam com orquestra e “a capela”, uma técnica inusitada na época.
As irmãs harmonizavam suas vozes, cantando e encantando quem quer que as ouvissem. O sucesso foi fatal. Logo chegaram convites para atuarem na Ilha da Madeira, Açores e Espanha.
As Irmãs Meireles foram formadas pelo Conservatório Nacional de Lisboa em “Arte de Representar”. Neste curso estudaram dança, encenação, arte de dizer, etc. O curso teve a duração de quatro anos. Em 1947 o trio é contratado pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro para uma temporada de três meses, depois seguindo para São Paulo, Porto Alegre e outras cidades brasileiras. Tamanho foi o sucesso que alcançaram, que logo foram contratadas para atuarem na Argentina, Chile e Uruguai.
O trio não se limitou a fazer apenas rádio; mas entraram em vários filmes “Aqui é Portugal” - neste filme elas aparecem em várias cenas, vestindo roupa de várias regiões portuguesa e cantando números folclóricos; “Bola ao centro” e “Amor de Perdição”, onde Cidália era a ‘prima antipática’. Milita e Rosária participaram também da película “O diabo são elas”, rodada em Espanha.
Das irmãs, a que teve mais participações em filmes foi Milita. Actuou em “Um homem às direitas”, “Os vizinhos dos Rés-do-chão”, e a co-produção espanhola, “O Diabo são elas”, do húngaro Ladislau Vadja.

BIOGRAFIA GENTILMENTE CEDIDA POR THAÍS MATARAZZO


video

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

REVISTA "O PRATO DO DIA"


Em 1970, pelas mãos de Giuseppe Bastos e Vasco Morgado estreava no Maria Vitória a Revista "O Prato do Dia". Os intérpretes eram Eugénio Salvador, José Viana, Aida Baptista, Barroso Lopes, Dora Leal, Victor Mendes e Anita Guerreiro. Os textos eram de Aníbal Nazaré e José Viana e a música de João Nobre e Carlos Dias. Mais uma recordação.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

AMÁLIA CANTA O FADO "EUGÉNIA CÂMARA"

videoA 26 de Dezembro de 1949, estreava no cinema Tivoli, o novo filme de Leitão de Barros, "Vendaval Maravilhoso". O filme era um co-produção com o Brasil, mas não teve a aceitação esperada. Amália Rodrigues tem neste filme um papel diferente do que costumava interpretar no cinema. Apenas canta um único fado neste filme, intitulado: "Fado Eugénia Câmara", fado que iremos recordar hoje.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

PUBLICIDADE À REVISTA "MULHERES À VELA"


Conforme se pode ver neste anúncio, esta Revista foi um autêntico sucesso, um verdadeiro triunfo. Nesta altura ia no quarto mês de exibição sempre com casa cheia.

PUBLICIDADE À REVISTA "MULHERES À VELA"

REVISTA "MULHERES À VELA"


Em 1967 estreava uma nova revista no Teatro ABC, com o titulo "Mulheres à Vela", com Humberto Madeira, Aida Baptista, Ivone Silva, Óscar Acúrcio, Wilma Palmer entre muitos outros. Os textos eram de Paulo da Fonseca, César de Oliveira e Rogério Bracinha. A música era da autoria de João Nobre e João Vasconcelos. Mais uma recordação.

FERNANDA PERES CANTA O FADO "GOSTO DE TI"

video

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

ELENCO DA PEÇA "A PROMESSA"


Ao lado de Laura Alves, José de Castro e Rui de Carvalho, apareciam também Paulo Renato, Maria Cristina, Luís de Campos, Alexandre Vieira, Maria Olguim, Candida Maria entre muitos outros. Mais uma peça a recordar.

LAURA ALVES EM «A PROMESSA»


Em 1967 estreava mais uma peça produzida por Vasco Morgado, da autoria de Bernardo Santareno, intitulada "A Promessa". Peça forte, rude e dura, peça em que os instintos mais primitivos vêm à tona, serviu para mostrar a força dramática do autor e o talento dos intérpretes. No elenco surgiam os nomes sonantes de Laura Alves, Rui de Carvalho e José de Castro nos principais papéis.

domingo, 25 de outubro de 2009

BEATRIZ COSTA E NASCIMENTO FERNANDES CANTAM A "CANÇÃO DO FUTEBOL"

A 1 de Junho de 1936, estreia no cinema Tivoli o filme "O Trevo de Quatro Folhas". O filme contava no seu elenco com Beatriz Costa num duplo papel, de Manuela e Rosita, e o grande actor Nascimento Fernandes, grande nome do nosso teatro, participava tambem o actor brasileiro Procópio Ferreira. O filme era realizado por Chianca de Garcia, baseado na obra de Tomás Ribeiro Colaço. Foi o filme mais caro até à altura, custou a soma astronómica de 4000 contos. Infelizmente este é um dos chamados "filmes perdidos", pois não existe nos nossos dias qualquer cópia ou negativo. "O Trevo de Quatro Folhas" era um filme onde não faltavam canções, até porque naquela época não se compreendia um filme português sem canções. Entre as canções do filme, uma ficou célebre, passando a ser cantada por toda a gente, era "A Canção do Futebol". A canção teve tal sucesso que acabou por ser utilizada numa revista do parque mayer. Hoje iremos recordá-la.
video

sábado, 24 de outubro de 2009

IRENE CRUZ, HENRIQUE SANTANA E HENRIQUE SANTOS EM "PARIS-HOTEL"



Nesta foto podemos ver a grande revelação desse musical, a então jovem Irene Cruz, aqui ao lado de Henrique Santana e Henrique Santos.

HENRIQUE SANTANA E IRENE ISIDRO EM "PARIS-HOTEL"



Nesta foto podemos ver dois grandes actores do nosso tetaro do século passado, Henrique Santana e Irene Isidro, aqui numa cena desse grande espectáculo que foi "Paris-Hotel".

PUBLICIDADE À PEÇA "PARIS-HOTEL"

"PARIS-HOTEL" UMA SUPER-PRODUÇÃO DE VASCO MORGADO


Em 1965 estreava no Teatro Monumental, pelas mãos do empresário Vasco Morgado, uma verdadeira super-produção para a época, o musical “Paris-Hotel”. Cenários luxuosos, um belo guarda-roupa e um grandioso elenco contribuíram, em muito, para o enorme sucesso desta grande peça teatral. Cerca de 50 actores passavam pelos palcos, sendo o protagonista Henrique Santana. Ao seu lado entravam: Irene Isidro, Costinha, Maria Helena Matos, Henrique Santos, Irene Cruz, Nicolau Breyner, entre muitos outros.

MARIA CLARA CANTA "FIGUEIRA DA FOZ"

video

Maria Clara, aliás Maria da Conceição Ferreira Machado Vaz de seu nome verdadeiro, nasceu em Lisboa em 1923. A artista iniciou-se no teatro com a opereta "A Costureirinha da Sé" ao lado de António Vilar. Rápidamente torna-se numa das primeiras estrelas da rádio, tendo sido eleita representante portuguesa no Festival Internacional da Rádio, em 1953. Maria Clara gravou inúmeros discos, nos quais imortalizou canções como 'Figueira da Foz', 'Marcha do Outono', 'Ó Zé Aperta o Laço' e 'As Pedras Que Tu Pisas'. Maria Clara passou pela sétima arte, com uma pequena aparição no filme "Três Espelhos", onde aparece a cantar um belo fado.
Maria Clara, de 85 anos, foi casada com professor e médico Júlio Machado de Sousa Vaz com quem teve um filho, o psicólogo Júlio Machado Vaz.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

A PEÇA "FORJA" ESTREIA EM 1970 NO TEATRO LAURA ALVES



Em 1970 estreava no Teatro laura Alves uma peça original da autoria de Alves Redol intitulada "Forja". Peça com uma forte carga dramática era servida por um naipe de excelentes actores, tais como: Carmen Dolores, Jacinto Ramos, Sinde Filipe e vários outros. Espectáculo de Vasco Mordado, esta peça levou na sua época muitas pessoas ao Teatro Laura Alves.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

ELENCO FEMININO DA REVISTA "VIRA O DISCO"

ELENCO DA REVISTA "VIRA O DISCO"


No elenco desta revista apareciam: Carlos Alves e Álvaro Pereira, dois grandes nomes do nosso teatro ligeiro. E do lado feminino Aida Baptista, Deolinda Rodrigues, Maria de Fátima Bravo e Antónia Montes. Este grande elenco era meio caminho para o sucesso da revista.

REVISTA «VIRA O DISCO»


Em 1958 estreava nos palcos do teatro ABC a nova revista intitulada "Vira o Disco". Os textos eram de dois autores consagrados, Eduardo Damas e Paulo da Fonseca. As músicas eram da autoria de Manuel Paião e Jaime Mendes.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

CELESTE RODRIGUES CANTA «PODE SER MENTIRA»

video

Maria Celeste Rebordão Rodrigues, celebrizada como Celeste Rodrigues (Fundão, 14 de Março de 1923) é uma fadista portuguesa, irmã mais nova de Amália Rodrigues.

Começou a cantar naturalmente na infância, tal como fazia a irmã. Porém,seguiram caminhos diferentes no fado. Profissionalmente, começa a cantar no Casablanca, em 1951 e, desde então, vive como fadista nos bairros típicos de Lisboa. É hoje uma referência do fado castiço, ao contrário da irmã, apogeu do fado moderno, e é uma das fadistas mais antigas ainda activas, assim como Argentina Santos e Maria Amélia Proença.
Com 25 anos, casa com Varela Silva, actor português. Teve aos 17 anos, no entanto, um romance com o toureiro Zé Casimiro. Abrem prontamente uma casa de fados na Rua das Taipas: A Viela. Todavia, esta fechou as suas portas, e Celeste passou então a cantar na Parreirinha de Alfama, de Argentina Santos.
Depois da Revolução dos Cravos, emigra para o Canadá, onde se divorciou do marido que lhe dera duas filhas.
Trabalhou diversas vezes com jovens artistas, alguns já com renome internacional, como Luís Guerreiro, hoje guitarrista de Mariza, e Luís Varatojo. Embora sem discografia intensa, gravou alguns êxitos como Lenda das Algas, Já é tarde e o simbólico Fado Celeste. O papel de Celeste Rodrigues no musical de Filipe Lá Féria, Amália, foi interpretado pela actriz Paula Marcelo.
Junto com outros expoentes do fado de Lisboa, foi convidada por Ricardo Pais a cantar no palco do Teatro Nacional São Carlos, no espectaculo Cabelo branco é saudade. Entre as mais célebres salas em que já actuou encontram-se a Citè de la Musique, Paris, o Auditório de Roma e a Casa da Música, no Porto.
Em 2007 integra a colectânea de fado Eles e elas, da Som Livre, entre outros grandes nomes do fado como Amália Rodrigues, Maria Teresa de Noronha, Hermínia Silva, Mariza, Alfredo Marceneiro, Carlos do Carmo ou Fernando Maurício, com o fado Fado das Queixas. O disco esteve várias semanas no top nacional de colectâneas.
O seu último trabalho discografico a ser lançado foi o CD Fado Celeste.

(FINTE WIKIPÉDIA)

domingo, 18 de outubro de 2009

sábado, 17 de outubro de 2009

ELENCO DA REVISTA "CASA DA SORTE"

REVISTA "CASA DA SORTE"


Em 1957 estreava nos palcos do Teatro ABC, a nova revista intitulada "Casa da Sorte", da autoria de Aníbal Nazaré e Carlos Lopes. Mais uma vez o êxito. O elenco era de primeira linha: a grande Herminia Silva ao lado de Álvaro Pereira, Leónia Mendes, José Viana e Carlos Coelho. Eram outros tempos...

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

FERNANDA PERES CANTA O FADO "GOSTO DE UM MARINHEIRO"

video

Fernanda Peres foi uma das mais consagradas fadistas nacionais, muito popular na década de 50 e 60. Nasceu a 13 de Março de 1934 no Bairro Alto, Lisboa.
Começou a cantar desde muito jovem, com apenas 10 anos e ficou conhecida como a Miúda do Bairro Alto.
Aos 17 anos venceu o Concurso Nacional das Jovens Fadistas da Emissora Nacional que de imediato a contratou. Dona de uma excelente voz e de uma bela presença fisica estreou-se em 1952 no filme "Eram 200 Irmãos" ao lado de outros conhecidos actores como Vasco Santana, Rui de Carvalho e Humberto Madeira. Para esse filme estreou dois fados de grande sucesso da autoria de José Galhardo e Frederico Valério "Eu Gosto Dum Marinheiro" e "Eu Gosto De Ti".
A partir de 1956 começou a aparecer nos programas experimentais da RTP transmitidos em directo da Feira Popular.
Participou em 1957 no Festival da Canção Latina em génova com um êxito do seu reportório "Nem Ás Paredes Confesso".
Muito solicitada para espectáculos ao vivo por todo o país, actuou ainda nas antigas colónias portuguesas em África, nos Açores e na Madeira.
Em 1967 no auge da carreira decidiu pôr fim à vida artistica, apenas regressando em meados dos setenta para regravar os seus maiores sucessos a convite da Editora Riso e Ritmo. Neste disco tem a participação nas guitarras de Jaime Santos, nas violas de J.Santos Júnior e na direcção de orquestra de Manuel Viegas. Um singelo registo para a posteridade.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

ELENCO DA REVISTA "SOL E DÓ"

REVISTA "SOL E DÓ"


Em 1962 estreava nos palcos do Maria Vitória a revista «Sol e Dó», da autoria de José Galhardo e João Nobre.Como atração principal surgia a grande actriz Brasileira Eva Todor, ao lado da sua compatriota Maria Helana. O elenco era de peso, como se costumava dizer: Humberto Madeira,Raul Solnado, Emílio Correia e Florbela Queirós.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

TEATRO DE REVISTA


A partir de hoje, irei alternar entre videos de músicas antigas com recordações de teatro. Nomeadamente irei aqui recordar algumas das peças que fizeram história no teatro de revista ou no teatro declamado.
Aguardem.

domingo, 11 de outubro de 2009

sábado, 10 de outubro de 2009

MILÚ CANTA «BOA NOITE LISBOA»

video

ALGUMAS FOTOS FORAM GENTILMENTE CEDIDAS POR MIGUEL VILLA

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

terça-feira, 6 de outubro de 2009

LAURA ALVES CANTA «FADO DE AGORA»

video

FADO GENTILMENTE CEDIDO POR MIGUEL VILLA

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

domingo, 4 de outubro de 2009

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

quinta-feira, 1 de outubro de 2009