quarta-feira, 30 de setembro de 2009

MARIA PAULA E OLIVEIRA MARTINS CANTAM AO DESAFIO


Uma bela canção extraídado filme "As Pupilas do Sr. Reitor, de 1935.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

BEATRIZ COSTA CANTA «ARRE BURRO»



Algumas fotos são do espólio de Miguel Villa.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

domingo, 27 de setembro de 2009

MARIA DOMINGAS CANTA A «CANÇÃO DOS NINHOS»


Uma bela canção extraída do filme «João Ratão» de 1940, e cantada pela actriz maria Domingas.

IRMÃS MEIRELES CANTAM "JOSEZITO"


Mais uma linda canção interpretada pelo trio das Irmãs Meireles, que fizeram furor nos anos 40.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

FERNANDA BAPTISTA E ANITA GUERREIRO CANTAM "DUAS MULHERES, O MESMO FADO"

~

Um belo fado cantado por duas grandes fadistas: Fernanda Baptista e Anita Guerreiro. As fotos foram gentilmence cedidas por Miguel Villa.Dedico este video à filha da Fernanda e à Anita Guerreiro.

FERNANDA

A HISTÓRIA DO MEU AMOR
A BEM POUCO SE RESUME
UM TERNO OLHAR,UMA FLOR
UMA LAREIRA ARDER,CIUME
UM RESTO QUE FOI A VIDA,PASSADO,ILUSÃO,MAIS NADA
E NESSE SONHO ENVOLVIDA
JÁ LOUCA E PERDIDA
EU FUI ARRASTADA
Á LUZ SOMBRIA,DUMA LANTERNA ENCARNADA
CRUZEI UM DIA A PORTA DAQUELA ESCADA
PERDEU-ME ESSA PAIXÃO E TODO O CORAÇAO
MAS DESSE AMOR EM BREVE RETARDOU
DESDE DESSA HORA,NAO MAIS O VI
FOI-SE EMBORA E EU FIQUEI A ONDE ESTOU

ANITA

A HISTÓRIA DO MEU AMOR
NASCEU DUM OLHAR ARDENTE
UM BREVE AROMA DE FLOR
E UM TERNO BEIJO SOMENTE
FOI UMA ILUSÃO DE UM DIA
PROMESSA DE TAL VENTURA
QUE NEM SEQUER PERCEBIA QUE EU PROPRIA CORRIA
PRA MINHA AMARGURA
Á LUZ SUMIDA
DUMA LANTERNA ENCARNADA
DESCI VENCIDA OS DEGRAUS DAQUELA ESCADA
AQUELE AMOR FATAL
MENTIA-ME E AFINAL
QUANDO ELE O CORAÇAO ME DESTROÇOU
DESDE ESSA HORA NÃO MAIS O VI FOI-SE EMBORA E EU FIQUEI ONDE ESTOU


AS DUAS

O MESMO FADO
NOVELA DE AMOR MALDITO
TRISTE E CHORADO
NO MESMO LIVRO FOI ESCRITO
AQUELE QUE O CONCEBEU
FOI O MESMO QUE ESCREVEU
AO MESMO AMOR FATAL NOS ATIROU
MALDITO FADO
O MESMO ENRREDO E PECADO
NOS PERDEU E JUNTOU

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

TOMÁS ALCAIDE CANTA "O AMOR É CEGO E VÊ"



O grande tenor português Tomás Alcaide surge numa cena do filme «Bocage», de Leitão de Barros, cantando uma bela canção de amor, «O Amor é Cego e Vê».

terça-feira, 22 de setembro de 2009

IRMÃS REMARTINEZ CANTAM "VIRA VIRADINHO"



Mais uma preciosidade, um video dedicado às Irmãs Remartinez, duo que fez bastante furor nos anos quarenta em Portugal.

sábado, 19 de setembro de 2009

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

MARIA DA GRAÇA CANTA A CANÇÃO "ROSMANINHO"



Uma linda canção intitulada «Rosmaninho», interpretada pela cançonetista portuguesa Maria da Graça, que ficou popularizada pelo seu papel no filme «O Pátio das Cantigas».

CARLOS RAMOS CANTA "SEMPRE QUE LISBOA CANTA"

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

IRMÃS MEIRELES CANTAM "PARDALITO QUE SALTITAS"

DINA TEREZA CANTA "VELHO FADO DA SEVERA"


Dina Tereza canta o «Velho Fado da Severa", fado extraído do filme «A Severa» de Leitão de Barros em 1931. Uma oportunidade rara de escutar a voz da actriz e fadista Dina Tereza.

domingo, 13 de setembro de 2009

sábado, 12 de setembro de 2009

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

terça-feira, 8 de setembro de 2009

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

ALBERTO RIBEIRO CANTA «MARIA SEVERA»



Alberto Ribeiro canta o lindo fado «Maria Severa», fado extraído da opereta "Colete Encarnado".

sábado, 5 de setembro de 2009

ROSÁRIA MEIRELES NUMA GRAVAÇÃO FEITA NO BRASIL



DEDICO ESTE VIDEO A: THAÍS MATARAZZO E MIGUEL VILLA

AGRADEÇO AO BLOGUE:
http://revistaantigaportuguesa.blogspot.com/

CIDÁLIA MEIRELES CANTA «CANÇÃO DO MAR»


Recordemos hoje a bela voz de Cidália Meireles, que neste video canta-nos o belo fado «Canção do Mar».

DEDICO ESTE VIDEO A: THAÍS MATARAZZO E MIGUEL VILLA

AGRADEÇO AO BLOGUE: http://revistaantigaportuguesa.blogspot.com/

AMÁLIA RODRIGUES - O ÚLTIMO ACTO


Com a década de 90 chega a consagração de Amália. Ainda surge esporadicamente ao vivo, mas passa a ser constantemente requisitada para entrevistas, homenagens, apresentações na televisão, usufruindo do seu estatuto de verdadeira lenda viva da música nacional. A sua obra gravada é sistematicamente relançada, mas os dois discos de material novo lançados na década -- "Obsessão" e "Segredo" -- recolhem gravações de arquivo até aí inéditas.
Amália vem a falecer em Outubro de 1999, mas deixa connosco a sua música e a sua voz gravada em dezenas de discos que perpetuam a sua memória tornando-a numa autentica lenda viva portuguesa.

FIM

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

AMÁLIA E OS ANOS 80


Em 1980, Amália edita o disco “Gostava de ser quem era”, o seu primeiro álbum de material inédito em três anos, composto por dez fados originais com letras da própria Amália, escritas em sua casa durante a convalescência de uma doença.

Durante anos, Amália pensa que vai morrer vitima de uma doença que considera mortal e que de todos esconde. Nesse período de profunda tristeza, Amália grava dois discos inteiramente com versos seus, "Gostava de Ser Quem Era" e "Lágrima".
Em 1980 recebe do Presidente da Republica a condecoração de grande oficial da ordem do infante D. Henrique. Logo em seguida é homenageada pela Câmara de Lisboa.
Em 1989, comemorando os 50 anos de carreira de Amália, a EMI-Valentim de Carvalho edita “Amália 50 anos”, uma colecção de oito duplos-álbuns ou CD´s temáticos agrupando muitas das gravações de Amália para a companhia, entre os quais várias raridades e gravações inéditas.

CONTINUA...

AMÁLIA E A CONSAGRAÇÃO


A 25 de Abril de 1974, dá-se a revolução em Portugal que derruba o regime fascista. Amália, devido a um contrato que tinha para actuar na televisão espanhola, parte para Madrid no dia seguinte. Em Lisboa, a grande popularidade internacional de Amália fez com que, de imediato circulem boatos de que Amália tinha estado ligada ao regime deposto. estes boatos, irão afetar grandemente a sensibilidade de Amália. Mas a sua carreira estava londe de terminar. Apesar dos boatos, Amália aparece pouco depois no Coliseu, onde 5 mil pessoas a aplaudem de pé, provando que o seu público nunca a abandonou. A partir dessa altura, faz as mais longas tournées por Portugal, e o seu sucesso internacional continua a aumentar, fazendo espectáculos por todo mundo.
CONTINUA...

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

AMÁLIA NO JAPÃO


Em inícios da década de 1970, Amália canta pela primeira vez no Japão, na cidade de Tokyo. E até mesmo este país, apesar de tão longínquo e com uma cultura tão diferente, se rende ao fascínio de Amália . O sucesso é tal que Amália faz várias tournées pelo Japão, visitando outras cidades. Todos os seus discos são editados nesse país. E todos os seus espectáculos nesse país vão se encontrar sempre completamente esgotados.
Em 1972 no Brasil, estreia-se no Canecão do Rio de Janeiro "Um Amor de Amália", onde pela primeira vez, num espectáculo organizado, Amália canta e conta histórias da sua vida.

CONTINUA...

AMÁLIA E OS ANOS 70


Em 1970, Amália atinge o auge da sua carreira discográfica em "Com que Voz" onde, sempre com música de Alain Oulman, canta alguns dos maiores poetas da língua portuguesa. Este disco conquista para Amália os mais importantes prémios da indústria discográfica: IX Prémio da Critica Discográfica Italiana (1971), o Grande Prémio da Cidade de Paris e o Grande Prémio do Disco de Paris (1975). Em Janeiro de 1970, Amália parte para Roma para actuar no Teatro Sistina em Roma. O sucesso foi tal que o fenómeno "Amália" se espalha por Itália.

CONTINUA...