domingo, 30 de agosto de 2009

AMÁLIA EM "AS ILHAS ENCANTADAS"


Em 1965, Amália atinge a sua melhor interpretação no cinema em "As Ilhas Encantadas" do estreante Carlos Vilardebó, baseado numa novela de Herman Melville. Neste filme, diferente de todos os outros da sua carreira, Amália pela primeira vez não canta. Amália volta a receber o prémio de melhor actriz com "As Ilhas Encantadas" e no ano seguinte aparece no filme francês "Via Macau". Mas este filme, é uma autentico fracasso de publico em Portugal.

CONTINUA...

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

AMÁLIA EM «FADO CORRIDO»


Em 1964 chega aos cinemas o novo filme de Jorge Brum do Canto «Fado Corrido», que era uma adaptação de um conto de David Mourão Ferreira. Neste novo filme, Amália interpreta mais uma vez o papel de uma fadista, surgindo agora num registo mais maduro, espelho da maturidade profissional que foi adquirindo ao longo dos anos. Nesta altura, já Amália era uma vedeta internacional.

CONTINUA...

sábado, 22 de agosto de 2009

AMÁLIA EM FRANÇA


Em Abril de 1956, Amália, actua pela primeira vez no Olympia de Paris, primáriamente como complemento duma festa de despedida de Josephine Baker. Mas, o sucesso que atinge é tal, que rápidamente estreia-se como primeira vedeta no Olympia de Paris.

Em pouco tempo, Amália atinge em França o máximo do prestígio e de popularidade. As actuações sucedem-se, os discos multiplicam-se e o público cada vez se mostra mais entusiasmado com a nova vedeta. Vários artistas franceses passam a escrever canções especialmente para ela, como foi o caso de Charles Aznavour que inspirando-se no Ai, Mouraria escreveu para Amália: Ay, Mourir Pour Toi.

CONTINUA...

AMÁLIA NO CINEMA A CORES


Em 1958, Amália Rodrigues aceita o convite do seu amigo Augusto Fraga, realizador de cinema, para regressar ao grande ecrã com o primeiro filme a cores feito em Portugal, intitulado «Sangue Toureiro». Ao lado do toureiro Diamantino Vizeu, Amália interpreta o papel da fadista Maria da Graça. Os fados eram de Frederico Valério. Mas Amália não gostou de se ver neste filme.Só voltaria ao cinema 6 anos mais tarde.

CONTINUA...

sábado, 8 de agosto de 2009

AMÁLIA NO CINEMA FRANÇÊS


Em 1954 Amália é convidada para um pequeno papel no filme de Henri Verneuil “Os Amantes do Tejo", produção francesa parcialmente rodada em Portugal, com Daniel Gélin e Trevor Howard. No filme Amália interpreta dois fados que correrão mundo: “Canção do Mar” e “Barco Negro”.

CONTINUA...

O TRIUNFO DE AMÁLIA


A partir de 1950, Amália não pára de viajar. Sucessivas tournées levam-na a África, às Américas,e acaba por ficar uma longa temporada no México onde obtém um grande sucesso. Um dos factores deve-se a Amália sempre ter cantado no seu reportório canções em espanhol. Nesse país descobre a canção popular Mexicana, a ranchera, que passa a acrescentar ao seu reportório. Mas será com o fado que Amália conquistará o México. Depois desse sucesso no México, Amália parte para os EUA. Em 1952 Amália actua pela primeira vez em Nova Iorque, no La Vie en Rose, onde ficará 14 semanas em cartaz. Torna-se na primeira artista portuguesa a actuar na televisão americana no famoso programa “Coke Time with Eddie Fisher”, onde interpreta “Coimbra”.

CONTINUA...

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

"VENDAVAL MARAVILHOSO"

AMÁLIA RODRIGUES EM "VENDAVAL MARAVILHOSO"


Em 1949, Amália entra na co-produção com o Brasil «Vendaval Maravilhoso», de Leitão de Barros. Amália tem neste filme uma interpretação notável, diferente dos seus papéis anteriores. Filme de época, o filme aborda a vida de Castro Alves e Amália desempenha o papel de Eugénia Camara, actriz portuguesa, que se tornaria amante do poeta. O filme foi o mais caro até à altura e um verdadeiro fracasso de bilheteira.

CONTINUA...

terça-feira, 4 de agosto de 2009

AMÁLIA CANTA O «FADO DO SILÊNCIO»

AMÁLIA RODRIGUES NO FILME "SOL E TOIROS"


Em 1949, Amália volta a surgir nas telas de cinema, desta vez apenas numa curta aparição, no filme "Sol e Toiros" do espanhol José Buchs. Neste filme Amália aparece cantando um belo fado da autoria de Frederico Valério, intitulado «Fado do Silêncio».

CONTINUA...