quinta-feira, 14 de maio de 2009

AMÁLIA CANTA "O FADO DE CADA UM"

AMÁLIA VOLTA AO TEATRO


O sucesso de Amália leva a que o teatro volte rapidamente a chamá-la, por isso em 1947, Amália reaparece na reposição da opereta «Mouraria». O sucesso é enorme e por isso logo volta ao teatro de revista na revista «Se Aquilo Que a Gente Sente». A revista fica em cena quatro meses, sempre com lotações esgotadas. Mas apesar disso, Amália não mais voltaria ao Parque Mayer. Vasco Morgado ainda tentaria convence-la, mas seria inútil. Voltaria ainda uma vez mais, pelas mãos de Vasco Morgado, mas no teatro declamado, na peça «A Severa», estreada em 1955 no teatro Monumental.

CONTINUA...

quarta-feira, 13 de maio de 2009

AMÁLIA RODRIGUES CANTA "O FADO DA SAUDADE"

AMÁLIA REGRESSA AO CINEMA


Após o estrondoso sucesso que foi a estreia de Amália Rodrigues no cinema com o filme «Capas Negras» de Armando de Miranda, poucos meses mais tarde é novamente convidada para protagonizar um novo filme, desta vez ao lado de Virgílio Teixeira, o filme «Fado, História de uma Cantadeira». O filme era a primeira longa-metragem realizada por Perdição Queiroga, entretanto recém-chegado da América onde estagiara. Para o sucesso do filme muito contou a publicidade em torno da história, que anunciava ser baseada na vida da própria Amália. A interpretação de Amália é louvada pela crítica e o publico corre para as salas de cinema para poderem ver a Diva do Fado. O filme mantém-se 26 semanas em cartaz, batendo o recorde de audiência para um filme português. Amália ganharia nesse ano o prémio do SNI para a melhor actriz desse ano.

CONTINUA...

terça-feira, 12 de maio de 2009

AMÁLIA RODRIGUES CANTA «O FADO NÃO SEI QUEM É»

AMÁLIA TRIUNFA NO CINEMA


Depois de triunfar no teatro, o cinema não poderia ficar indiferente ao sucesso de Amália Rodrigues. Por isso em 1947, Amália estreia-se no grande ecrã com o filme de Armando de Miranda «Capas Negras». O filme foi um êxito retumbante, mantendo-se em cartaz durante 22 semanas consecutivas. Para o êxito do filme, muito se deveu ao carisma do par romântico: Amália Rodrigues e Alberto Ribeiro, outro grande nome da canção portuguesa. O filme embora com uma história simples e popular, agradou ao público que corria às salas de cinema para ver aquela que conseguia traduzir numa voz magoada e doce, aquilo que lhes ia na alma.

CONTINUA...

segunda-feira, 11 de maio de 2009

domingo, 10 de maio de 2009

AMÁLIA RODRIGUES - O TRIUNFO


Após aparecer em 1943 na revista “Alerta Está!”, Amália Rodrigues surge novamente ao lado de Hermínia Silva na opereta “A Rosa Cantadeira”. Desta opereta nasce um novo êxito para Amália, o «Fado do Ciúme», novamente de Frederico Valério. Nos anos seguintes, o êxito de Amália não para de crescer, toda a gente trauteia os seus fados: «Fado Malhoa»; «Só à Noitinha»; «Ai Mouraria», entre muitos outros. Ainda aparece em 1944 na revista “Ó Viva da Costa”, na opereta “A Senhora da Atalaia” e em 1946, ao lado de Laura Alves e Costinha, Amália aparece no elenco da revista “Estás na Lua”. A sua popularidade não para de crescer, não só em Portugal como no estrangeiro, onde Amália começa agora a visitar. Em especial no Brasil, Amália tem uma aceitação sem precedentes. Aliás é neste país que Amália grava os seus primeiros discos em 1946. Quando regressa a Portugal, é já uma verdadeira vedeta.

CONTINUA…

AMÁLIA RODRIGUES CANTA «NO ME QUIERAS TANTO»

terça-feira, 5 de maio de 2009

AMÁLIA NO TEATRO


O seu rápido sucesso, leva a que rapidamente seja convidada para entrar numa revista, por isso a 25 de Junho de 1940, Amália estreia-se na revista «Ora Vai Tu». Os jornais anunciavam: “O Teatro de Revista é hoje enriquecido com a estreia no teatro de Amália Rodrigues, a grande revelação da canção nacional». O sucesso é tal, que Amália passa a ser conhecida como «a princesinha do fado encantado». Em 1941, surge no elenco da revista «Espera de Toiros», e no ano seguinte em «Essa é que é Essa». Ainda nesse ano, aparece ao lado de Hermínia Silva, na revista «Boa Nova». Dessa revista saiu um belo fado com o nome da revista, da autoria de Frederico Valério, que constitui um dos primeiros sucessos de Amália. Aliás, será Frederico Valério, o primeiro compositor a compreender a voz de Amália e a criar para ela, um novo tipo de fado orquestrado.

CONTINUA...

segunda-feira, 4 de maio de 2009

AMÁLIA RODRIGUES - A DIVA DO FADO


Amália da Piedade Rebordão Rodrigues, de seu nome completo, nasce a 23 de Julho de 1920. Oriunda de uma familia humilde, Amália após a escola primária, começa cedo a ganhar a vida, primeiro vendendo bordados, depois trabalhando numa fábrica de bombons, e finalmente vendendo fruta no porto de Lisboa. Amália desce cedo mostra aptidão para o fado, e por isso após cantar nas marchas de Lisboa, representando o bairro de Alcantara, Amália é convidada para actuar numa das casas mais tipicas e conhecidas da época, o «Retiro da Severa». A sua estreia é um êxito.
A partir daí, todos querem ouvir esta nova cantadeira, todas as casas de fado a querem contratar. Amália torna-se rapidamente em «cabeça de cartaz».

CONTINUA...